InspiredTalk, com Verónica Cristóvão

VERÓNICA CRISTÓVÃO - DESIGNER DE MODA

No coletivo Alfayate temos a oportunidade e a sorte de nos cruzarmos com pessoas extraordinárias, pessoas com história, pessoas que nos inspiram todos os dias e, principalmente, pessoas que também partilham deste amor pela cultura e tradições de Portugal. Verónica Cristóvão não é exceção! A Designer de Moda que reside na cidade do Porto pertence ao coletivo Alfayate e contribui de forma incansável para que todos os nossos artigos, inspirados pela herança cultural portuguesa, ganhem vida!

Fique connosco e descubra um pouco do percurso e trabalhos desenvolvidos pela nossa designer de moda, Verónica Cristóvão.

Conta-nos como começou esta tua aventura pelo mundo da moda e porquê…

A aventura na Moda surgiu desde muito cedo, desde criança que sonhava ser designer de moda. Adorava desenhar e construir peças para as bonecas. Aos 18 anos fui para o Porto estudar Moda no Citex e logo após terminar o curso fui estagiar para um Grupo Multinacional português onde trabalhei durante quatro anos. Era um trabalho mais ligado ao mundo do sportswear (trail running, ski, acessórios, casual) e beachwear. Foi uma grande aprendizagem e desafio, mas era algo que não queria para a minha vida, pois tive sempre o sonho de desenvolver a minha própria marca direcionada para o vestuário personalizado. Aliado ao vestuário personalizado também comecei a trabalhar como freelancer para desenvolver coleções para marcas, pois era uma forma de não me desligar completamente da indústria e uma forma de abraçar novos desafios como foi o caso da marca Alfayate.

Como consegues conciliar o trabalho profissional com a vida pessoal?

Nem sempre é fácil conciliar o trabalho com a vida pessoal, mas como se trata de algo que dou muita importância tento sempre conciliar da melhor forma definindo muito bem as prioridades.

Quais são ou foram as tuas maiores influências e que, de certa forma, contribuíram para seres a designer de moda que és hoje?

Talvez a minha maior influência tenha sido o gosto pelo desenho e o facto de a minha mãe ser costureira. Desde muito cedo que desenhava as minhas próprias roupas  para a minha mãe fazer, gostava de ter exclusividade. Hoje em dia já não é bem assim devido à minha falta de tempo.

De todas as áreas da história e cultura de Portugal, o que mais te inspira na criação das tuas peças?

O que mais me inspira são as pessoas no dia-a-dia. Adoro sentar-me e observar as pessoas, pensar em soluções que as favoreçam da melhor forma, para que se sintam valorizadas e que se identifiquem com a própria roupa. Para mim o mais importante é que as pessoas tenham a liberdade de vestir o que quiserem e que se sintam realmente bem com elas próprias, até porque a Moda é muito subjetiva assim como o gosto de cada um.

Todos os teus artigos são concebidos manualmente. Tens alguém que te ajude a criá-los ou gostas de trabalhar e desenvolve-los sozinha?

No que se refere ao vestuário personalizado, sou eu que desenvolvo os produtos de raiz desde a criação do desenho à construção da peça. Só quando vou a Leiria é que tenho a ajuda da minha mãe, quando tenho encomendas de clientes daquela zona.

Normalmente crias artigos clássicos, vestidos fantásticos que parecem terem saído de contos de fadas. Como foi aceitar este nosso desafio de criares peças completamente diferentes do habitual e de estilo urbanwear?

Eu desenvolvo mais peças para dias festivos porque é o que as pessoas encomendam mais e porque gostam de exclusividade. Mas também adoro criar peças para o dia-a-dia. Desenvolver peças de urbanwear foi claro um grande desafio. Mas também gosto de sair da minha zona de conforto e abraçar novos projetos.

Se pudesses destacar apenas um artigo entre todas as Coleções Alfayate que ajudaste a criar, qual escolherias?

Para mim distinguiria as T-shirts da coleção Vyana para homem e os Hoodies-vestido da coleção Xyta para mulher.

Qual é o balanço que fazes do trabalho desenvolvido com e para o coletivo Alfayate? Aquilo que esperavas está a ir ao encontro do que tem vindo a acontecer?

Foi uma honra trabalhar com o coletivo Alfayate, uma equipa fantástica, criativa, objetiva e muito fácil de trabalhar. Foi realmente uma experiência incrível que gostaria de repetir. O resultado foi o melhor do que o esperado, fiquei surpreendida pela positiva.

Pensas que a Alfayate valoriza de forma correta o Património cultural português?

Sim, de uma forma criativa  transpondo para os dias de hoje, resultando num look muito atual e descontraído. As ilustrações são inspiradas em padrões tradicionais portugueses, onde lhe é atribuído um contexto urbanwear, revivalista e contemporâneo.

Enquanto Designer de Moda e com uma vasta experiência, como consideras o estado atual da moda em Portugal?

A Moda em Portugal está a crescer sobretudo num contexto industrial. O produto português é cada vez mais valorizado, sobretudo pela qualidade e confeção.

A Verónica é uma peça fundamental para o coletivo Alfayate. Poderemos mesmo afirmar que, sem ela e o seu extraordinário trabalho, as coleções que hoje damos a conhecer não seriam as mesmas. É com orgulho que agradecemos a sua presença e todo o empenho demonstrado perante a marca Alfayate e o nosso grande objetivo de valorização do Património Cultural Português.

Ainda não visitou a nossa loja online? Não perca tempo e descubra todos os artigos que também nasceram pelas mãos, talento e criatividade da designer Verónica.

 


Descubra todas as conversas, histórias e personagens que fazem parte do mundo Alfayate em InspiredTalk.
Share this post

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *